TRE suspende propaganda do PSDB com críticas a Rollemberg; 'não faremos aliança', diz Izalci

Vídeo acusa governo de 'comprar apoio político'; presidente regional do PSDB repetiu crítica ao G1. Em outubro, ex-governadora tucana Abadia assumiu nova Secretaria de Assuntos Estratégicos.
Deputado federal Izalci (PSDB-DF) em discurso na Câmara dos Deputados (Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados/Divulgação)

O Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal (TRE) suspendeu, nesta sexta-feira (10), a divulgação de uma propaganda partidária do PSDB da capital que tecia críticas ao governo Rodrigo Rollemberg. A ação foi movida pelo PSB, que disse ver "insinuações, ofensas e ataques que maculam a imagem" do governador. Cabe recurso.
Na peça, o presidente do PSDB-DF e deputado federal Izalci Lucas afirmava que Rollemberg "comprava apoio político usando dinheiro público", e que Brasília "vive o pior governo de sua história". Dizia, ainda, que "nós do PSDB não estamos à venda", em referência à suposta compra de apoio.
Na decisão, a desembargadora eleitoral Sandra de Sanctis diz que esse tipo de vídeo, divulgado fora do período eleitoral, tem objetivos definidos pela Lei dos Partidos Políticos – difundir programa partidário, divulgar a posição do partido em temas político-comunitários e promover a participação política feminina.
"As increpações, decorrentes de acusações de compra de apoio político com dinheiro público e de incompetência administrativa, podem, a meu ver, ser injuriosas no contexto em que colocadas", diz a sentença. A decisão não estabelece punição caso o vídeo volte a ser divulgado.
Em 11 de outubro, a Justiça Eleitoral do DF suspendeu outras propagandas consideradas ofensivas ao governo Rollemberg – estas, elaboradas pelo PT regional. Nos vídeos, a presidente da legenda e deputada federal Érika Kokay dizia que o governo local maltratava servidores públicos, e que a situação no DF era de "total abandono".
O G1 tentou contato com a direção do PSB e com o advogado que representa o partido em questões eleitorais, mas não obteve retorno nesta sexta.

Rollemberg e PSDB

Em entrevista ao G1, Izalci repetiu as críticas feitas no programa partidário e acusou Rollemberg de "assediar" filiados ao PSDB do DF, em busca de alianças para 2018. Segundo ele, a criação da Secretaria de Assuntos Estratégicos e a nomeação da ex-governadora tucana Maria de Lourdes Abadia foram feitas à revelia da legenda.
"Ela [Abadia] já não estava participando do partido há algum tempo. Quando o Raimundo [Ribeiro, atual deputado distrital pelo PPS] saiu do partido, ela foi para o gabinete dele e continuou trabalhando com ele. Estava praticamente afastada", diz o político.
Segundo Izalci, pessoas ligadas ao Buriti telefonaram para outros filiados ao PSDB, em busca de nomes para compor a pasta de Abadia. A ideia, diz, era enfraquecer o partido e uma possível candidatura do presidente regional ao governo do DF, em 2018.
"Como o governador sabe que a minha candidatura pode dar trabalho, ele quer cooptar o PSDB. Ele procurou o Tasso [Jereissati, senador do Ceará] e o [governador de São Paulo Geraldo] Alckmin, mas eu já tinha alertado a eles que haveria a movimentação", diz.
"Depois, me ligou pra dizer que tinha uma boa notícia, que me queria como vice em 2018. Disse que a única boa notícia que ele poderia me dar seria a renúncia".
Apesar da briga interna, Izalci diz que não planeja abrir processos de expulsão do PSDB contra Abadia, ou contra correligionários que se juntarem à base aliada. Segundo o deputado, o grupo "terá de pagar os pecados dentro do partido, mesmo."
"A única certeza que tenho hoje, em relação a 2018, é que não faremos aliança com Rollemberg. Com todos os outros partidos, estamos conversando. Ele perdeu o PDT, perdeu o PSD, a Rede está saindo. O PSDB sempre foi coadjuvante aqui no DF, e queremos ser protagonistas", disse ao G1.

A briga do PSDB

A Secretaria de Assuntos Estratégicos foi criada no fim de outubro, e anunciada por Rollemberg e Abadia com pompa e circunstância. Durante o anúncio, Rollemberg evitou falar sobre as eleições do próximo ano, mas admitiu que a nomeação pode antecipar uma "possível aliança" para 2018.
O nome de Abadia é cogitado para a vice-governadoria na chapa de reeleição, já que o atual vice, Renato Santana (PSD), não tem boa relação com o chefe do Executivo.
Ao anunciar a adesão de Abadia ao governo, Rollemberg disse que o secretário-geral do PSDB e governador e de São Paulo, Geraldo Alckmin, aprovou a união. Como o vice de Alckmin, Márcio França, é filiado ao PSB, uma chapa Rollemberg-Abadia repetiria a dobradinha de PSDB e PSB que foi eleita no estado paulista.
Fundadora do tucanato no DF, Abadia passou os últimos dois anos disputando o comando regional da sigla com o grupo de Izalci. No início de outubro, o parlamentar foi mantido no comando do diretório local.
Hoje, o PSDB é representado na Câmara Legislativa por Robério Negreiros – distrital que se aproximou de Abadia ao fazer oposição interna ao grupo de Izalci. Hoje, os três são os únicos membros do PSDB local com cargo de primeiro escalão.

Base em mutação

Nesta sexta, o PSD do vice-governador Renato Santana anunciou o desembarque da base aliada de Rollemberg. Em resposta, o Buriti anunciou a exoneração do secretário de Justiça Arthur Bernardes, vice-presidente regional da legenda.
O anúncio aconteceu exatamente um mês após o desembarque do PDT, outro aliado de primeira hora do governo Rollemberg desde a eleição, em 2015. A decisão foi oficializada após um mês de "cisão", motivada pela reforma da previdência dos servidores distritais e outras discordâncias em projetos. 



Por Mateus Rodrigues, G1 DF
COMPARTILHAR:

+1

Publicidade:

Roraima music no twitter

Total de visualizações

Cursos Online

Receba Nossas atualizações

•Recomende-nos No Google+
•Receba Nossas Notícias do Roraima Music Por e-mail