É o fim do ingresso de papel? As pulseiras vieram para ficar? A tecnologia por trás da sua entrada nos festivais | Portal RR Music

É o fim do ingresso de papel? As pulseiras vieram para ficar? A tecnologia por trás da sua entrada nos festivais

Lollapalooza e Rock in Rio mudaram forma de entrar nos eventos neste ano. G1 ouve especialistas para saber o que mais vai mudar nos ingressos dos eventos.
Pulseiras irão servir como ingresso no Rock in Rio (Foto: Júlia Mello/ Arquivo Pessoal)


Em 2017, o Lollapalooza Brasil e o Rock in Rio, os dois principais festivais de música do Brasil, adotaram as pulseiras no lugar dos ingressos de papel. Mas o que essa mudança significa pra você daqui em diante?
O G1 conversou com Juliana Ribeiro, gerente de ingressos do Rock in Rio, e Pat Poels, vice-presidente de engenharia da empresa de ingressos Eventbrite, pra discutir o assunto.

Integrando serviços

Até 2015, o Rock in Rio usava um cartão como ingresso. Juliana Ribeiro afirma que a mudança para as pulseiras não aconteceu para corrigir algum problema detectado nas edições anteriores do festival, mas para agilizar a entrada dos visitantes e integrá-los às atrações do Rock in Rio.
"Tentamos trazer as pulseiras pela evolução de tecnologia. E até para melhorar a experiência dentro do Rock in Rio e fazer a integração com algumas ativações que temos. Com ela, o visitante não precisa de mais um cadastro. A ideia é unificar tudo e todos dentro da Cidade do Rock", diz.
Pulseira do Rock in Rio é utilizada para agendar passeios nos brinquedos, como a tirolesa (Foto: Fábio Tito/G1)

Além de garantir a entrada no festival, a pulseira agenda passeios nos brinquedos, acompanha o fluxo de visitantes pelas atrações, como a área Game XP, e ajuda o festival a se preparar antes mesmo dos shows começarem.
"Estamos fazendo um mapeamento de todas as pessoas do nosso plano de acessibilidade a partir do registro da pulseira. E conseguimos identificar quantas pessoas por dia precisarão de algum tipo de necessidade especial", diz a executiva. "Também observamos a dimensão dos transportes. As pessoas estão informando por onde pretendem chegar. Até pra quem quer vir de carro saber se haverá vaga".
Juliana diz que foram fabricadas mais de 700 mil pulseiras para o Rock in Rio. O custo de cada uma delas? Pelo menos cinco vezes o de uma entrada convencional.

É o fim do ingresso de papel?

As pulseiras usadas no Lollapalooza 2017 (Foto: Divulgação)

Sim, mas não agora, na opinião de Pat Poels. A solução das pulseiras é moderna, agiliza o check-in em eventos e pode até funcionar como forma de pagamento. Mas ambas ainda devem conviver juntas por um bom tempo enquanto uma terceira, a via celulares, trabalha para ser a número 1.
Poels diz que é raro um evento nos Estados Unidos apresentar só uma forma de entrada. Mas pelo andar da carruagem, se você não gosta de carregar coisas em shows ou tem medo de ser roubado, talvez não tenha jeito: o smartphone pode ser obrigatório em futuros festivais.
"Nosso objetivo, além das pulseiras com RFID [radiofrequência], é usar a tecnologia para levar os ingressos aos smartphones. As pulseiras têm mais tecnologia que o ingresso de papel, mas menos que os celulares", diz o executivo.
A aposta nos dispositivos de bolso tenta resolver o problema do custo:
"As pulseiras são muito caras. A fabricação não custa muito, mas você precisa levá-las de alguma forma aos clientes. Seja por correio ou durante o evento. E nenhuma delas é 100% eficiente".
Mas também é uma forma de turbinar o evento:
"A experiência pode ser melhor. Não só na hora de entrar, mas poder usar seu celular para interagir com elementos do lugar. Acredito que esse caminho seja o futuro da indústria de ingressos".

E quem tem um celular humildão, como fica?

Poels acredita que o nível de tecnologia do seu smartphone pode afetar a sua experiência em um festival, mas não vai bloquera as necessidades básicas. "Você não precisa de um aplicativo para ter um leitor de código de barras. Isso pode ser feito em aparelhos modestos", explica.

O que é RFID?

RFID é uma tecnologia de radiofrequência usada fazer a comunicação entre torres espalhadas pelos eventos e as pulseiras.
Nos parques da Disney, por exemplo, o visitante pode fazer uma configuração prévia dizendo qual prato quer comer em um determinado restaurante. A tecnologia é capaz de identificar quando ele chegou ao local e emitir o pedido desejado à cozinha automaticamente. Depois, reconhece onde o cliente se sentou e já encaminha a direção aos garçons do estabelecimento.

E tem privacidade?

Juliana Ribeiro diz que as pulseiras do Rock in Rio não armazenam nenhum dado associado a cartões de crédito, mesmo porque elas não usam a tecnologia de pagamento por aproximação.
Mas quando usada para esses e outros fins, é preciso atenção. "Quando você possui a tecnologia necessária para rastrear tudo que uma pessoa faz em um evento, cada passo que ela dá, o tempo que ela gastou, é preciso ter cuidado com essa informação", diz Poels.
"É muito importante que os organizadores saibam disso e que nós protejamos isso. Para garantir que essas informações não sejam dadas a ninguém". 





Por Bruno Araujo, G1 
COMPARTILHAR:

+1

Publicidade:

Roraima music no twitter

Total de visualizações

Cursos Online

Receba Nossas atualizações

•Recomende-nos No Google+
•Receba Nossas Notícias do Roraima Music Por e-mail